legado - arte - desenho -kim - jung- gi 03

O legado de Kim Jung Gi para a Arte

Quem se interessa por desenho, pintura e arte, com certeza vai adorar conhecer - ou já conhece - o artista plástico, quadrinista e mestre, Kim Jung Gi.

Com o seu falecimento, prestamos uma homenagem trazendo um pouco mais sobre o mestre para manter seu legado.

Através da sua técnica que dispensa o uso de linhas de construção e sua memória, Kim Jung Gi era capaz de criar ilustrações complexas sem o uso de referências. Ele já trabalhou para clientes como Marvel, Riot Games, Paris Saint Germain e muitos outros, lecionou para estudantes, virtual e presencialmente, e participou de diversas demonstrações de desenho ao vivo pelo mundo todo. Além disso, publicou diversos livros com suas ilustrações e deu vida a histórias em quadrinhos através da parceria com autores. 

Nascido em 1975 na cidade de Goyang-Si, na Coreia do Sul, Kim Jung Gi foi uma criança que gostava muito de desenhar, e mesmo muito cedo era capaz de trazer tridimensionalidade em seus desenhos – técnica muito complexa que até mesmo adultos experientes sentem dificuldade.

legado - arte - desenho -kim - jung- gi 02

Apesar de não tirar boas notas na escola, ele era um aluno que se destacava muito por sua arte, fazendo com que seus professores sugerissem a seus pais que o colocassem em uma escola especializada no assunto. Contudo, eles não deram tanto atenção para o talento do garoto, se preocupando mais com seu desempenho acadêmico. Felizmente, ele seguiu desenhando e observando o mundo com seu olhar curioso e atento, que o levou a estudar Arte e Design na Escola de Belas Artes da Universidade de Dong-Eui, aos 19 anos de idade.

Em uma entrevista ao canal do YouTube chamado Proko, o artista afirmou que o período em que menos desenhou foi durante seu primeiro ano a serviço do exército. Apesar de não praticar o desenho fisicamente, ele observava o mundo ao seu redor e se imaginava desenhando – que se refletiu em uma capacidade surpreendente em representar equipamentos militares e armas com bastante precisão. 

A partir disso, somos capazes de entender o segredo por trás da memória de Kim Jung Gi. Ele já afirmou mais de uma vez que não se preocupa em fazer representações fotorrealísticas que são estritamente precisas e fiéis ao mundo real. Através de muita atenção e observação que o levaram entender como muitas coisas se parecem e funcionam, ele adotava uma estratégia de comunicação visual que induzia o público a acreditar que estavam vendo figuras reais sob uma ótica de câmera de cinema.

legado - arte - desenho -kim - jung- gi 07
Arte e capacidades criativas de Kim

Jung Gi é responsável pelo recorde de “Desenho mais longo feito por um indivíduo” pelo livro Guinness World Records e, ao observarmos a ilustração acima, é impossível duvidar. O fato é que ele fazia muitas ilustrações como essa, com composições abrangentes, extremamente complexas em detalhes e com ângulos de câmera desafiadores, que o permitiam agregar diferentes ações e narrativas em um único plano. Uma característica interessante de seu trabalho é a capacidade de registrar momentos espontâneos, como em alguns de seus diversos desenhos de observação que foram produzidos a partir do contexto que estava inserido (é bastante comum ver desenhos sob seu pontos de vista em um carro, em jantares e em outros espaços do dia a dia). 

legado - arte - desenho -kim - jung- gi 06


Para os artistas, ele não era apenas surpreendente pela qualidade final de suas ilustrações e sua memória. Seu processo não trazia o uso de referências, linhas guia para representar a perspectiva e anatomia dos personagens, ou seja, ele não fazia qualquer tipo de esboço para concluir suas ilustrações. Neste sentido, é bastante comum encontrarmos vídeos e artigos que buscam entender como se tornar o Kim Jung Gi, no sentido de ser capaz de representar cenas e desenhos complexos com tamanha precisão no uso perspectiva (responsável por trazer a ilusão de tridimensionalidade para um desenho).

A partir da apreciação de seus trabalhos, conseguimos entender a importância de observar o mundo mais atentamente, bem como valorizar os nossos gostos pessoais. Kim Jung Gi era apaixonado por moda, veículos e armamentos militares, elementos que fazem parte de muitas de suas ilustrações. Porém, um fator relevante de suas obras é a atenção aos detalhes daquilo que realmente importa, com o objetivo de trazer clareza para a composição.

 

A arte do mestre sul-coreano é tão impressionante que, após publicar um vídeo de seu processo de desenho no YouTube pela primeira vez, criou uma legião de fãs que se inspiraram e se sentiram motivados a também se tornarem artistas excepcionais e criativos. É inegável que muitos gostariam de desenhar como ele. Mas, mais importante do que produzir artes lindas e complexas, é apreciar tanto o processo, como ele apreciava. 

Como um de seus últimos trabalhos, Kim Jung Gi foi convidado pelo estúdio, marca e revista sul-coreana, Over The Pitch, para uma sessão de desenho ao vivo durante uma partida de futebol entre Paris Saint Germain e Nice. Contudo, teve complicações de saúde quando se preparava para uma viagem até o evento New York Comic Con 2022, mas não resistiu.

Durante uma das entrevistas ao Proko, o artista afirmou que gostaria de viajar menos, para passar mais tempo com sua família. Lamentamos muito a perda de uma pessoa tão importante para a arte e cultura, que inspirou milhares artistas em todo mundo. 

Não nos esqueceremos o legado e ensinamentos que deixou.

legado - arte - desenho -kim - jung- gi 04